ENTREVISTA EXCLUSIVA: Conheça Higino França, o “homem da moldura”

Por: Eugênio Piedade

“O sucesso nada mais é que uma conjugação de esforços.” Higino França

                                                                              Olhos de Águia:   Quem é Higino França?

HF:  Empreendedor, deixei o funcionalismo público para defender um sonho de ter o meu próprio negócio

Na TV, em outdoors ou até mesmo nas paradas de ônibus … É o meu rosto que faz propaganda de uma rede de lojas de molduras e ainda desperta a curiosidade de muitos brasilienses.
Apesar de estar há anos protagonizando as peças publicitárias da empresa, poucos conhecem a minha história que se tornou marca registrada na capital. “Meu nome é Higino França, tenho 64 anos e há 31 anos, estou no comando da Casa da Moldura”.

Desde que fundei a empresa, em 1989, fiz questão de aparecer nos comerciais. E não é por vaidade. Essa foi a maneira encontrada para ganhar a confiança dos clientes. Uma corrente humanizada contemporânea que é ensinada aos montes em diversos cursos de marketing, mas que adquiri intuitivamente. É um elo natural com meus consumidores, que acabam se tornando amigos.
“Coloquei o meu nome e o meu rosto em jogo. Deu mais do que certo. É uma das formas que encontrei para garantir a qualidade do meu serviço. ”

Quem me conhece sabe que eu sou bom de prosa, e não fujo de uma conversa. De preferência tête-a-tête. Sou carioca de nascimento, cearense de coração e candango por opção, fiz o que poucos teriam o mínimo de coragem: abandonei o funcionalismo público para me aventurar no empreendedorismo.

Olhos de Águia: O que você fez antes de abrir a Casa da Moldura

HF: Antes de abrir a Casa da Moldura, trabalhei por anos no Ministério da Agricultura e no Ministério da Saúde. Tive a oportunidade de conhecer os quatro cantos do país a trabalho. Partilhei de momentos e negociações com várias autoridades.

Exerci muito bem a função como servidor do órgão. No entanto, quando tinha 33 anos, já havia chegado ao topo da carreira de economista. Foi quando tomei a decisão que, literalmente, mudaria minha vida.
“Tinha uma carreira consolidada, mas não era aquilo que queria para mim. Não havia mais nada que pudesse agregar ao Ministério. Só me restava esperar a aposentadoria. Então, juntei o lado comerciante de cearense e aceitei o risco de abrir minha empresa”.
Com o apoio de minha esposa, Edneida Magalhães, 64, Ousei e me realizei profissionalmente. “Não me arrependo de nada”

Olhos de Águia: Como foi o início desse grande empreendimento

HF: Decidido em relação ao que queria, entrei no mercado brasiliense com o intuito de me tornar referência no ramo de molduras, já que a maioria das lojas que ofereciam os serviços eram vidraçarias, com pouca variedade e sem foco na arte de emoldurar.
“Quando comecei, fazia publicidade em jornais de bairro, jornais de categorias, rádio, revistas locais e nacionais, TV, banco de praça… Uma missão era tornar uma minha conhecida.”
Eu ainda brinco que a propaganda era tão intensa, que haviam pessoas que iam visitar a loja porque não aguentavam mais ouvir minha voz nos comerciais.
Entendi que o mercado era tão carente no ramo e ousei incrementa-lo, e em pouco tempo a loja se tornou líder na capital.

Olhos de Águia: Com todo esse sucesso profissional e familiar, de que forma você tenta retribuir essas conquistas?

HF: Amigo Eugênio, não gosto muito de falar sobre esse assunto, mas promovo algumas ações e ajudo outras, prefiro guardada-las para o meu coração e minha alma. ( Higino é um dos patrocinadores do Projeto “CDDF SOLIDÁRIO” e por muita insistência autorizou colocar esta foto)

 

 

Olhos de Águia: Como foi sua trajetória para chegar ao Topo

HF: Até o topo?
Antes de conquistar meu espaço, tive uma infância e adolescência cheia de obstáculos. Nasci no Rio de Janeiro, mas com apenas três meses de vida eu e minha família mudamos para o Ceará.
Depois de uma temporada no estado nordestino, todos vieram para Brasília. “Como a maioria dos brasileiros que se deslocam para a capital, minha família também buscava melhores condições de vida, novas oportunidades, novos horizontes.”

Lembro, saudosista, o período que morei em uma pensão na W3 Sul. “Não tínhamos privacidade nenhuma. Até que um dia meus pais conseguiram um quarto só para mim e meu irmão, e passamos então, a ter o nosso cantinho”. Eu e meu irmão, fizemos faculdade e nos formamos na capital – Economia e Direito, respectivamente.
Foi durante a graduação, inclusive, que conheci a mulher que se tornou minha esposa. Fruto do meu casamento com Edneida, nasceram Aline, hoje com 35 anos, que é arquiteta, e Renato, com 31, nutricionista.

 “Uma coisa é você chegar no topo. Outra, é se manter ”, Higino França.

Olhos de Águia: Como está estruturada a Casa da Moldura hoje?

HF: Atualmente com duas lojas – uma na 706/707 Norte e outra na 410 Sul -, além de um galpão de montagem no Setor de Armazenagem e Abastecimento Norte (SAAN), a instituição ainda se destaca no mercado por prestar assessoria especializada aos clientes, com consultoria de arquitetura e vendedores experientes. As lojas contam com uma variedade de modelos de molduras, gravuras assinadas, espelhos exclusivos e porta-retratos e ainda produtos especiais para conservação de obras, padrão utilizado por museus.

Olhos de Águia: Você já tem muitos anos de trabalho, já está pronto para se aposentar?

HF: Não fale em aposentadoria perto de mim. A ideia nem passa pela minha cabeça. “Minha esposa sempre fala: ‘Higino, vamos curtir, viajar’. Sempre respondo para ela: “Posso curtir, viajar. Mas parar de trabalhar, não”. No entanto, há duas pessoas muito especiais que podem me ajudar a desacelerar um pouquinho: minhas netinhas Mariana, 9, e Isabel, 4 filhas de Aline e Fabiano Neri. “Por essas duas, até reduzo a jornada de trabalho”.

Olhos de Águia: Muito obrigado pela entrevista, deixe um recadinho para a população do DF

HF: Após 31 anos, a Casa da Moldura continua firme e forte na capital. Não tem segredo: preço bom, qualidade, assessoria e atendimento diferenciado. “Quando entrei nesse mercado de molduras procurei entender meu público, e oferecer além”. Venham conhecer a CASA DA MOLDURA .

Colaborador GUSTAVO AZEVEDO Foto BRUNO CAVALCANTI

Fonte:  http://olhosdeaguianoticias.com.br

Deixe sua resposta:

Escreva seu comentário
Seu nome